domingo, 17 de dezembro de 2017

Reforços, patrocínios, bilheteria... saiba o que Flamengo prevê no orçamento para 2018



No último ano da gestão Bandeira de Mello, Fla põe pé no freio no investimento do futebol (Foto: Fred Gomes)
Com investimento acima de R$ 60 milhões em 2017, o Flamengo põe o pé no freio para ir ao mercado em 2018. No orçamento aprovado na última semana, o recado para a gestão do futebol foi a seguinte: é hora de vender e emprestar atletas se quiser usar recursos para contratar. Das receitas de R$ 477 milhões - inferior aos R$ 632 milhões de 2017, impulsionados pela venda de R$ 145 milhões de Vinicius Júnior e R$ 29 milhões de Jorge - apenas R$ 15 milhões estão previstos para contratações - como antecipou o jornal "Extra". 

Dos R$ 15 milhões previstos para contratar, hoje há "apenas" R$ 5 milhões para se lançar ao mercado. Isto quer dizer que o orçamento "exige" R$ 10 milhões em vendas para poder lançar a receita para o futebol. Ou seja, o que entrar de dinheiro de negociações de atletas será diretamente levado ao futebol para contratações. 

A intenção é negociar atletas que vieram a custo alto e não renderam como se esperava. Além de vendas, o futebol vai buscar mercado para Rômulo, Mancuello, Alex Muralha, entre outros. Caso não consiga venda, a ideia é até emprestar alguns jogadores – tudo para reduzir a folha salarial e abrir espaço para chegadas.


No orçamento, os custos com “despesas pessoal” – que inclui a folha de jogadores e todos funcionários remunerados do Flamengo – vai ter redução de R$ 3 milhões. Saindo dos atuais R$ 183 milhões do ano de 2017 para R$ 180 milhões. A folha do departamento de futebol deve se manter no patamar de R$ 10 milhões mensais. 

Maior arrecadação com sócio torcedor
 
Outros números que foram analisados e aprovados pelo Conselho de Administração na última semana. Para a linha de patrocínios, publicidade e royalties, a previsão é de maior arrecadação, saindo de R$ 97 milhões para R$ 102 milhões – a maior parte dessas receitas com os patrocinadores Caixa, Carabao, além da fornecedora de material esportivo Adidas. 

Ponto negativo do orçamento 2017, a bilheteria arrecadou menos R$ 12 milhões do que o previsto no início do ano. Na readequação do orçamento, aprovado no meio do ano, o Rubro-Negro baixou a expectativa de R$ 61 milhões para R$ 49 milhões. Em 2018, a previsão é de repetir os R$ 49 milhões de bilheteria. 
 
Por outro lado, com a marca de 100 mil sócios torcedores em 2017, as receitas com o programa Nação Rubro-Negra terão crescimento, prevê o orçamento do Flamengo para 2018. De R$ 42 milhões neste ano para R$ 47 milhões nos próximos 12 meses.
 

sábado, 16 de dezembro de 2017

Inspirado em CR7, Lincoln completa 17 anos e quer fazer história no Flamengo


Lincoln no banco durante a partida da Copa Sul-Americana (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)A temporada de 2017 foi especial para o jovem Lincoln. Depois de tantos anos de dedicação às categorias de base, o garoto teve a chance de ser promovido ao time profissional do Flamengo. Um sonho que Lincoln já carregava há muito tempo, desde a época que jogava em campinhos de terra no bairro Feu Rosa, na Serra, na Região Metropolitana do Espírito Santo.,

Atrás dos seus objetivos, o garoto foi embora para o Rio de Janeiro há seis anos, mas faz questão de voltar ao local de onde saiu sempre que pode. E isso aconteceu mais uma vez nesta semana, quando Lincoln retornou ao Espírito Santo para curtir alguns dias das férias 

Lincoln está completando 17 anos neste sábado e ainda tem um longo caminho para trilhar dentro do futebol. Fã do português Cristiano Ronaldo, a jovem promessa garante que ainda não pensa em jogar no futebol Europeu e espera um ano com muitos títulos em 2018.  

Confira a entrevista:
 
Qual balanço você faz da sua temporada em 2017?
Foi um ano muito bom para mim: título com a seleção sub-17, minha subida ao profissional. Poderia ter fechado o ano melhor, com essa Sul-Americana (que o Flamengo perdeu para o Independiente), mas foi um ano ótimo. Sou um Lincoln diferente. No sub-17 o jogo é mais corrido, é muito perde e ganha, no sub-20 isso diminui e no profissional ainda mais. Você tem que amadurecer, se adaptar à forma de jogar. Acho que amadureci bastante.

Você é um garoto que saiu de uma realidade humilde e agora está em um dos maiores time do país. Sua vida mudou muito em pouco tempo. Como você lida com isso?
O importante é a essência. Ainda tenho a essência daquele Lincoln que jogava nos campos de Feu Rosa. Minha família sempre põe meus pés no chão para que nada suba à cabeça. Tenho que continuar trabalhando. Sigo muito focado, sabendo o que quero. Sou mais fechado, concentrado, essa é minha essência. 

Qual a sensação de crescer no Flameng e ter a chance de ser integrado ao time profissional?
É gratificante, mostra que meu trabalho vem sendo bem feito. Foi um momento de muita alegria. Quando subi para o profissional, fui primeiro falar com a minha mãe e com o meu pai, dei um abraço neles e agradeci por tudo. Eles mudaram a vida deles por minha causa e está tudo dando certo. 

 Como é a sua relação com técnico Reinaldo Rueda?
Ele e o Redin (Bernardo Redin, auxiliar) dão bastante conselhos e isso é muito bom para quem sobe da base. A língua eu não entendo tudo e O Cuéllar ajuda a traduzir. Ele preza muito a garra, a vontade. 
 
Como é a amizade Vinícius Junior e os outros “garotos do Ninho”?
A nossa amizade é muito legal. Eu e o Vinícius jogamos juntos desde os 11 anos, a gente acompanhava o Paquetá, Vizeu e o Léo Duarte na categoria acima, o Klebinho também, que depois joguei junto no sub-20. A amizade só vem fortalecendo a cada ano. 

Qual o seu maior ídolo no futebol?
É o Cristiano Ronaldo. Seria uma honra jogar com ele ,sou fãzaço pela ambição que ele tem, pelas metas que ele põe na carreira dele. É um cara extraordinário, que trabalha muito. 
 
Você é um garoto que já despertou interesse de grandes clubes europeus. Como lida com esse assédio de outros como?
Meu pai e minha mãe são minha base, me dão conselho e me ajudam muito. (Ser procurado por outros clubes) É gratificante, mostra que o meu trabalho está sendo bem feito. 

E tem vontade de fazer uma parceria com Vinícius Júnior no Real Madrid?
Deus está preparando algo bom pra mim, ele sabe o melhor momento. 

O Flamengo perdeu a final da Copa do Brasil, da Sul-Americana e existe essa provocação dos torcedores rivais sobre o “cheirinho”. Isso incomoda os jogadores?
Não incomoda. A gente não liga para isso, não. A gente tenta não ligar para as críticas. Não podemos achar que somos os piores e nem podemos achar que somos os melhores. Tem que manter o equilíbrio. 

 O que pretende fazer durante as férias no Espírito Santo?
 Vou ficar com minha família e reencontrar os amigos, muitos da época da escolinha do Jerê (onde o atacante começou sua carreira). Não sou muito de sair, sou bem reservado. Fico com minhas avós que não vejo o ano inteiro, vou no shopping.
 
Quais seus planos para 2018?
Que seja um ano de muita glória, muitas vitórias e muitos títulos. É trabalhar para conquistar isso tudo. Meu contrato vai até o final de 2019. Meu trabalho vem sendo bem feito, sou do Flamengo e quero ficar no Flamengo.

Nota oficial sobre episódios de violência na final da Copa Sul-Americana

O Clube de Regatas do Flamengo vem a público expressar sua indignação com os fatos ocorridos na noite desta quarta-feira, no Maracanã, durante a final da Copa Sul-Americana. E também se solidarizar com todos os torcedores que, de alguma maneira, foram afetados pela selvageria, violência e falta de cidadania daqueles que provocaram tumulto antes e depois da partida.

A confusão antes do jogo foi provocada primordialmente por um grande número de pessoas tentando entrar no estádio sem ingressos, o que, infelizmente, é um hábito comum e histórico em todas as partidas de grande apelo do clube no Maracanã. 

O problema ocorrido após o apito final foi fruto da frustração de torcedores com o resultado, mas de forma alguma se justifica. Torcedores que amam o clube, suas famílias, além de profissionais atuando no jogo não podem ficar reféns, retidos no estádio, em função da ação de selvagens.

Cabe reflexão mais ampla e profunda sobre os fatos por parte da sociedade. Diferentemente de outros eventos no Rio de Janeiro, como o Rock In Rio ou o Carnaval que mobilizam enorme interesse e têm escassez de ingressos, o futebol padece de problemas mais graves. Existe a "tradição" nefasta do torcedor que não possui ingresso em forçar a entrada no estádio; a infiltração de desordeiros em torcidas organizadas e o espírito de agressividade muito maior do que em outras atividades culturais. Tudo isso faz com que o controle de público em jogos de futebol seja muito mais complexo.

Se considerarmos a praça em que o espetáculo é realizado, cabe ressaltar que o Maracanã é um estádio grande, urbano, dentro de um bairro populoso, o que faz com o que o acesso a ele seja fácil e, paradoxalmente, facilite a invasão de torcedor, o que aconteceu até mesmo na Copa do Mundo.

Portanto, consideramos equivocada a justificativa dada pelo comandante do Grupamento Especial de Policiamento em Estádios de que apenas um fator – o uso de cartões-ingressos descarregados por sócio-torcedores mal-intencionados – seja a razão predominante para os acontecimentos de ontem. É importante citar que cartões-ingresso são amplamente utilizados em eventos esportivos no mundo todo, inclusive no Brasil, e são uma forma de oferecer conforto e comodidade aos torcedores que fazem uma contribuição fundamental ao Flamengo, além de representarem um fator inibidor do cambismo e de confusões na venda de ingressos, como as grandes filas e quebra-quebras em bilheterias.

Um jogo decisivo do Flamengo, com lotação máxima apresenta muito maior risco e complexidade no que diz respeito ao acesso de torcedores do que uma partida de Copa do Mundo, em função das diferenças de perfil dos públicos envolvidos. Em compensação, a mobilização e o planejamento dos órgãos públicos para uma partida como a de ontem é incomparavelmente menor do que o realizado nos jogos do Mundial de 2014.

Outro ponto que torna o planejamento complexo para partidas de grande apelo é o fenômeno das torcidas organizadas, movimento criado há cerca de 50 anos, que surgiu com o propósito de incentivo ao time, mas que hoje é associado a episódios de invasão, vandalismo e violência. 

Some-se a isso o hábito dos torcedores em geral em postergarem sua entrada no estádio, a compra de ingressos, muitas vezes falsos, em cambistas e a já citada utilização indevida dos cartões de sócio-torcedor.

A título de informação, em reuniões operacionais antes da partida, o Flamengo notificou o Comando Maior da Polícia, assim como o GEPE, o 6º Batalhão (Tijuca) e a Guarda Municipal, solicitando o maior efetivo possível, dado o grande apelo da partida. Por sua vez, contratou quase mil seguranças privados para atuar a partir do momento da revista e acesso a catracas e em vários setores dentro do estádio.
 
Mesmo assim, tal mobilização pública e privada não foi suficiente para impedir os problemas, que aconteceram não só no Maracanã, como também em diversas ruas dos bairros próximos ao estádio, estações de trem e estações de metrô.

Dada tal escalada de violência, o Flamengo se propõe a, junto com os órgãos públicos, encontrar soluções para que seus jogos decisivos no Maracanã tenham o efetivo de segurança adequado, planejamento e bloqueios de ruas compatíveis com sua complexidade, uma vez que a Polícia Militar do Rio de Janeiro tem encontrado muitas dificuldades do ponto de vista de estrutura e contingente para realizar seu trabalho nas praças esportivas e outros pontos do Estado.

Com grande jogo de Olivinha e Marquinhos, Flamengo supera Minas e embala quarta vitória seguida no NBB




Orlando Bento - MTC
O Flamengo embalou. Com a vitória sobre o Minas na noite desta sexta-feira, em Belo Horizonte, por 83 x 76, o Rubro-Negro chegou à quarta vitória seguida no NBB 2017, subiu para a terceira posição na tabela e manteve a boa fase na competição. Olivinha, com mais um Duplo-Duplo (10 pontos e 10 rebotes)  foi o destaque da noite, que também teve em Marquinhos (10 pontos, oito rebotes e quatro assistências) e David Cubillan (14 pontos) outros personagens importantes. Agora, o Mais Querido volta à quadra apenas no dia 21, contra o Bauru, fora de casa.

Quer fazer a diferença nos esportes olímpicos do Flamengo e deixá-lo cada vez mais forte? Contribua, seja um Anjo da Guarda. Acesse o site especial do programa e saiba como participar.

Um jogo tão equilibrado não poderia começar diferente. O primeiro quarto demorou a ter pontos dos dois times. Com quatro minutos de partida, o placar marcava 7x4 para os donos da casa. Foi o tempo da equipe se acertar e Olivinha, em dois lances seguidos, virar para 8x7. A pontuação continuou baixa, com as duas equipes errando demais os arremessos. No final da etapa, o Minas fechou na frente por 16x14.

No segundo quarto, o Flamengo entrou com Pecos, Ramon, Marcelinho, Pilar e João Vitor. E quem saiu na frente foi o Minas, marcando uma de três e outra normal para abrir 21x14. Neto parou o jogo. Demorou a voltar a ter pontos, e foi através de Marcelinho, de três, diminuindo a diferença para dois. Na sequência, Pilar roubou a bola e JP empatou. O mesmo Pilar apareceu de novo para virar a partida em 25x23. Assim, o Flamengo chegou a abrir 10 até fechar a parcial em 41x32.

O Flamengo dominou o terceiro quarto. Com grande atuação de Cubillan, que acertou cestas de longe em sequência, o Mais Querido chegou a abrir 14 de diferença faltando três minutos. Olivinha também teve grande participação nos rebotes, garantindo a supremacia rubro-negra, até terminar o quarto em 63x49.

O jogo do FlaBasquete se manteve. Com defesa não dando espaços e forçando os arremessos de longe, o Mengão foi mantendo a vantagem na casa dos 12 pontos. Olivinha fez seu segundo duplo-duplo na temporada, doutrinando no garrafão e pegando todos os rebotes para segurar a vantagem.

Empurrado pela torcida, o Minas reagiu e diminuiu a diferença para cinco pontos faltando dois minutos para o fim. Neto parou o jogo para acertar o time. Na volta, Marquinhos guardou de três, esfriando os mineiros. Logo em seguida, Cubillan também fez de três e passou a régua na partida, abrindo 10 pontos com 46 segundos para o final. Aí foi só administrar, até encerrar com mais uma vitória.

As equipes de basquete do Clube de Regatas do Flamengo contam com recursos de seus patrocinadores – Estácio, AmBev, Rede D’or, IRB Brasil RE, CSN, Brasil Plural, EY – via Lei de Incentivo Federal/Ministério do Esporte (IR) e Lei de Incentivo Estadual/Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude (Seelje) do Rio de Janeiro, além de apoio do Comitê Brasileiro de Clubes (CBC) proveniente da descentralização de recursos oriundos da Lei Pelé. O Projeto Anjo da Guarda Rubro-Negro, de transferência fiscal de pessoa física, beneficia todas as modalidades olímpicas do Mais Querido.

Destaque da base do Flamengo está próximo de acertar renovação


O Flamengo está cada vez mais próximo de acertar a renovação com um destaque das categorias de base, o lateral-esquerdo Michael Rangel. O jovem de 18 anos acumula passagens pelas seleções de base e também estava em campo no último título do Rubro-Negro na Copa São Paulo de Futebol Júnior, no ano passado.

A negociação entre o clube e a empresa que comanda a carreira do atleta, a Lifepro, mesma que agência que gerencia Marcelo, lateral do Real Madrid, já está acontecendo há algumas semanas.

O Flamengo fez a proposta para renovar o contrato do alteta, mas a empresa enviou uma contraposta e agora as partes estão próximas de um denominador comum. O novo contrato de Michael com o Rubro-Negro será de quatro anos.

Atualmente, Michael tem vínculo com o Flamengo, onde está desde os 11 anos de idade, até 30 de junho do ano que vem. Com isso, a partir de janeiro, o jovem já poderia assinar um pré-contrato com qualquer clube. Por isso, o Flamengo está resolvendo logo a situação do atleta e novo contrato deve ser assinado na próxima semana.

Com passagens pelas seleções de base e pelo título da Copinha, alguns clubes da Europa e do Brasil demostraram interesse no atleta, que desde o início garantiu que quer ficar no Flamengo. Michael já fez alguns treinos pelo time profissional e está sendo observado com bons olhos dentro do clube.

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Flamengo avalia Carpegiani, do Bahia, para coordenador técnico em 2018


Paulo César Carpegiani  é alvo do Flamengo para comissão (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)Os dirigentes do Flamengo avaliam mudanças no departamento de futebol e elas passam por mais um nome na comissão técnica. Técnico do Bahia, Paulo César Carpegiani é nome bem avaliado no Rubro-Negro. Campeão do mundo em 1981 como treinado e com história com a camisa rubro-negra, Carpegiani viria para ser coordenador técnico. 

 O Flamengo não comenta o assunto - o nome de Alessandro, gerente do Corinthians, também estava cotado. Nem o treinador, que ressaltou ter contrato em vigor com o Bahia até 31 de dezembro. No mercado, porém, a expectativa é de um acerto com o Rubro-Negro em breve. 

Carpegiani se somaria ao departamento de futebol, que tem o diretor executivo Rodrigo Caetano - o dirigente, por sinal, é amigo de Carpegiani e começou na função no RS Futebol, do atual técnico do Bahia. A estrutura do futebol ainda tem Mozer na função de gerente.


Rodrigo Caetano  e Fred Luz em um almoço com Carpegiani, em novembro  (Foto: Reprodução)
 Rodrigo Caetano e Fred Luz em um almoço com Carpegiani, em novembro

Carpegiani comandou o Bahia de outubro até o final do Brasileirão. A equipe terminou na 12ª colocação no Brasileirão.

Bandeira diz que Flamengo não tem culpa e isenta torcida: "Acima do bem e do mal"



O Flamengo não se manifestou apenas em nota oficial sobre os episódios de violência no Maracanã. Em entrevista à TV Globo, o presidente Eduardo Bandeira de Mello disse que o clube não teve culpa pela desordem na final da Sul-Americana contra o Independente e isentou a torcida rubro-negra.
 
No entendimento do dirigente, desordeiros se infiltraram e causaram todo o tipo de tumulto. Para ele, a nação rubro-negra está acima do bem e do mal.
 
- É absolutamente injusto atribuir à torcida do Flamengo, que é uma entidade acima do bem e do mal. O que aconteceu foi produto do trabalho de desordeiros e já estava programado - disse o dirigente. 


Bandeira afirmou ainda que "alguma coisa saiu errada" no planejamento de segurança da partida de quarta-feira. E garantiu que o clube irá assumir os prejuízos pelos estragos no Maracanã. 

Confira outras respostas do presidente:
 
Houve falha no planejamento de seguança?
Essa questão da invasão, como toda invasão, é de fora pra dentro. Na Copa do Mundo foi montado um esquema que impediu esse tipo de ação. Infelizmente essa invação de torcedores ou de desordeiros infiltrados na torcida do Flamengo foi programada com mais de uma semana de antecedência. Foi espalhada pela internet, convovação de invação, chamaram até de sócio-invasão... As autoridades já estavam cientes que esse tipo de problema poderia acontecer. Não quero... não tenho elementos para avaliar os detalhes da operação que foi montada, mas certamente alguma coisa saiu errada. 

 
Postura da torcida
Eu acho que existem alguns desordeiros que se infiltram na torcida do Flamengo e provocam esse tipo de coisa. Muitas vezes estimulados por redes sociais, até por alguns jornalistas. Parte da torcida acha que tem o direito de entrar no espetáculo mesmo sem pagar. E o que acontece é que essa invasão foi programada, acabou acontecendo. O Flamengo não tem responsabilidade nenhuma com isso. Nós vendemos todos os ingressos, fizemos apelo pela paz nos estádios, fizemos apelo para que os torcedores chegassem mais cedo, que é a melhor maneira de se evitar problema. 

Dentro do estádio, a gente praticamente não teve problema nenhum. Agora, tivemos esses acontecimentos lamentáveis do lado de fora, que o Flamengo repudia, o Flamengo sempre desestimulou e nós temos que encontrar soluções juntos. 
 
Imagem da torcida
A torcida do Flamengo é o maior patrimônio do Flamengo. São 40 milhões de torcedores, ninguém tem a torcida que o Flamengo tem. Tudo que o Flamengo tem, tudo que o Flamengo está conseguindo fazer para se reerguer... A receita do Flamengo é toda derivada da torcida do Flamengo. Se a gente tem um excelente contrato com a televisão, é porque a torcida do Flamengo dá mais audiência. Se a gente tem os melhores patrocínios na camisa, é porque a torcida do Flamengo que compra os produtos. Se a gente tem uma excelente receita do sócio torcedor, é porque a torcida do Flamengo nos proporciona isso. É absolutamente injusto atribuir à torcida do Flamengo, que é uma entidade acima do bem e do mal o que aconteceu. Foi produto do trabalho de desordeiros que já estava programado. 

 O que fica de aprendizado
O segredo pra tudo é um bom planejamento e o Flamengo vai sempre se colocar à disposição das autoridades para participar do planejamento. Não podemos assumir responsabilidades que não são nossas. Mas participar, contribuir com ideias, com sugestões, participar de campanhas para conscientizar o publico, a população, é nosso interesse, é nossa obrigação. 

Indefinição da gestão do Maracanã
Há muito tempo a torcida do Flamengo está aguardando a definição da situação regulatória do estado. Existe uma promessa de que vai ser lançado um edital de licitação para o Maracanã ao qual o Flamengo pode se candidatar a ser o concessionário. Esse novo concessionário vai ter segurança jurídica para investir no Maracanã para melhorar os acessos, para talvez até instituir trechos, setores do estádio com ingressos populares e evitar esse tipo de problema. O Flamengo não pode ser responsabilizado por um ativo ao qual ele não administra, o Flamengo aluga o Maracanã para uma partida, mas esse tipo de indefinição, esse jogo de empurra que já existe há muito tempo, certamente contribui também para esse tipo de problema. Eu tenho certeza que, se definida a questão regulatória do Maracanã, a gente vai poder partir para uma solução definitiva.

Flamengo 10 títulos nacionais

Tu és... Time de tradição... Raça, amor e paixão... Oh meu Mengo!!! Eu... Sempre te amarei... Onde estiver estarei... Oh meu Mengo!!!